Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Celso Sacavém

Os meus pensamentos

Os meus pensamentos

Teatro

 

           0 Paris_Comedie-Francaise.jpg

                                                                          Paris Comedie-Francaise    (1)

 

 

 

 

 

 

BLASFÉMIA

 

 

 

 

A cena representa uma sala de estar, mobilada com certo gosto.

Nas paredes pendem retratos de Jesus Cristo e na mesa pode ver-se uma Bíblia.

Carlos está sentado num sofá, fumando cigarro após cigarro.

Clara está sentada, ao centro, com os braços estendidos por sobre uma mesinha. 

Eduarda está de pé, junto da filha, tentando acaricia-la.

Em cima da mesa estão diversos livros evangélicos.

 

 

 

D. Eduarda - Tem calma, minha filha…

 

Clara            - Tanta demora… Tanta demora…

 

D. Eduarda - Tem  paciência…     Serena   os  teus  nervos…     Estas   coisas    são

                      assim…  Precisam do seu tempo…

 

Clara            - Eu sei, mãe, eu sei… Mas esta espera mortifica-me!

 

D. Eduarda - Eu compreendo-te, querida…  Compreendo  a  tua  ânsia!    Passei por

                     transes  iguais  em  muitas  fases  da  tua  vida…    Tu  deste-me muitos

                     cuidados…    Para te criar  sofri  muitas  horas  de  amargura…   Foram

                     momentos dolorosos que me dilaceravam  a carne!...

 

Clara           - Mas   eu  não  posso  esperar…      Sinto    que   vou    perder    o   meu

                      filho!...       Sinto     que      deixarei      de      o     ter     de     novo     nos

                      meus  braços…   Apertando-me  o  pescoço…    Beijando-me   com   os

                      seus beijos quentes e meigos…     Sinto  que  o  vou   perder…     Sinto

                      que o vou perder…

 

D. Eduarda - Tem  esperança…   Tem  calma…   Tem  fé  em  Deus…   Muitas  vezes

                      eu não tinha mais nada do que a minha fé…

 

Clara            - É  o  que  me  resta  também…   Resta-me  a  fé  e  uma  dor aguda no

                       coração…

 

D. Eduarda - Tem calma…

 

Clara           - Tem  calma…   Como   se   eu   a   pudesse  ter, num  momento  como 

                       este, em  que   os  meus  sentidos  se  entrechocam  indecisos,  numa

                       ânsia  que  me fere e que me mata!...

 

D. Eduarda - A dor  que   te   fere   o   peito,  a  ânsia   que   te   faz  sofrer,  também

                     me aniquilam, crê !  O  amor  que  nutro por aquele inocentinho  é  igual

                     ao teu amor…  Mas eu entreguei-me à Divina Providência… Confio  em

                     Deus com toda  a  força  da  minha  alma…  Só  te  peço  resignação…

                     Resignação    e    confiança     ilimitada     na    vontade    do     Senhor!  

                     Preparemo-nos para o pior… E confiemos… Confiemos na intervenção

                     Divina…

 

Clara           - Eu não posso suportar a ideia de que o meu filhinho…

                      (Chora  compulsivamente)

 

D. Eduarda - (Chorando também)    Minha filha… Vamos…  Vamos pedir ao Senhor

                      para  que  ELE se digne iluminar o médico com a  misericórdia  da  Sua

                      Luz…  (Vão até aos livros).

 

Clara           - (Encanto caminha)    Que tormento…   Que tormento o meu!...  

 

D. Eduarda - É uma angústia que nos dilacera a alma…

 

Clara            - … E  nos  mortifica  a  carne!...   É  um  pesadelo  que  nos  absorve o

                       ser,  e     se    apodera    de    nós,  e    nos    agarra,  e    nos    mata...

                       (Ajoelhando-se)       Meu  Deus!      Salva  o   meu   filho   que   é   tão

                       pequenino…     Que   é   toda   a   minha   vida…        Salva-o, Senhor!

                       Dá-mo  para  os  meus  braços…      Nesta   minha  oração  não   peço

                       mais do que a vida do meu filho.

 

                                        (Pela  porta  do  quarto  do Menino sai uma Criada.

                                         Clara, ao vê-la, pergunta-lhe ansiosamente:) 

 

 

Clara            - O meu filho?... Como está o meu filho?...

 

Criada         - Sossegue,      menina,   o      nosso     menino      há-de       salvar-se… 

                      O   médico   está    confiante…      A   enfermeira   disse-mo…    Tenha

                      esperança…  (Retira-se para o lado oposto). 

 

Clara           - Meu  Deus,  Meu  Deus!...     Virgem Maria…      Tu, que  sofreste  pelo

                      Teu    Filho…         Tu,  que   choraste    lágrimas    de    dor    sentida…

                      Compreendes a minha  dor de mãe…     Compreendes o que me vai no

                       peito…  Compreendes como ninguém (Chora soluçante) …  Vela pelo

                       meu filho, vela pelo meu filho!...

 

                                        (A Criada atravessa a cena levando na mão uma

                                          cafeteira que se adivinha levar água quente)

 

 

D. Eduarda - (Em pranto convulsivo) Pai nosso que estás no Céus…

 

                                         (A Criada sai novamente do quarto do menino e

                                          desaparece   pela   porta  oposta  reaparecendo

                                            logo após trazendo nas mãos toalhas brancas,

                                           algodão e uma garrafa de água oxigenada)

 

 

D. Eduarda - (Como que finalizando a começada oração:) …   Agora e na hora da

                      nossa morte.     Amen!     (Olhando  para   o   genro, que  não  parou

                      um  instante de fumar, diz:)     Carlos…   Acompanha-nos nas nossas

                      orações…

 

Clara           - (Levanta-se e vai até ao marido)     Anda,  Carlos…     Põe   as  tuas

                        ideias  de  parte  e  vem  connosco  pedir  a  Deus  que salve o nosso

                        filho…   (Silêncio)    Tu não ouves, Carlos? 

 

Carlos         - Não…  Peço-te…   Reza tu…   Reza tu porque eu não posso!...

 

Clara            -  É o nosso filho, Carlos!...

 

Carlos          -  Reza tu…  Reza tu se tens fé…   A minha fé está ali, no médico…

 

Clara            -  Por piedade, Carlos…

 

D. Eduarda - (Quási simultaneamente)     Perdoa-lhe,  Senhor!     (Dirigindo-se  ao

                      genro)      Que o Altíssimo não nos castigue pela tua heresia!...

 

Carlos          -  Descansem… Não castiga…

 

D. Eduarda - Cala-te!    As   tuas   ideias   são   ervas  daninhas  que  não  encontram

                     aqui terreno propício…     És  muito  bom  rapaz…     Considero-te  como

                     um filho…     Mas  por  caridade, Carlos, este  não  é  o momento melhor

                     para nos falares assim…

 

Carlos        - Concordo, mãe…     Mas   deve  concordar  também  que  não  fui   eu

                      quem    começou    esta    conversa    desagradável!...     (Levanta-se)

                      Pediram-me    para    rezar…       Pediram-me    para    ir    contra    os

                      meus    princípios…     (Depois  de  breve silêncio:)     Não   pensam,

                      decerto,  que   o   meu   coração   não    está,   neste     momento,  tão

                      despedaçado como o vosso…    É  a  vida do meu  filho  que  está  em

                       jogo…      Numa   última  tentativa  de  golpear  o  Destino  chamámos

                       o  médico…    Ele  ali  está…    É  nele, mãe, é  nele  que  está  toda a

                       minha   esperança…     Toda   a   minha    fé…      Não   em    Deus…  

                       Porque esse, foi o primeiro a ferir-nos…

 

D. Eduarda - (Acarinhando-o)     O que é isso, meu filho…   Tu não estás em ti…

 

Carlos          - Estou, sim!    Tão  em  mim  estou que me sinto revoltado contra esse

                        vosso deus  que  tanto  vos  castiga   mas  Vocês  adoram…     (Com

                        brutalidade)      Deus… Existe Deus?...

 

Clara            -  Perdoa-lhe, Senhor, porque ele não sabe o que diz!...

 

D. Eduarda - Não tenhas dúvida, meu filho… Deus Existe! Em tudo o que nos rodeia

                     sentimos o Seu Halo!...  A sua força… A sua presença… Tudo o que de

                     belo vivemos é obra do Senhor…   O ar que respiramos…   A água que

                     bebemos…        O   perfume   das   flores…      O   volitar   das   aves…

                     Os  sorrisos das crianças…   Tudo…    Tudo  é  por  vontade  de  Deus!

                     A  própria  vida, com  os  seus mistérios, está  impregnada  de   Deus…

                     A   alegria   e   a   dor   são    manifestações   Divinas…   Deus  existe…

                     Deus existe, sim!

 

Carlos        - Existe?      É  Omnipotente?      Então   porque   consente   carnificinas?

                      Porque   consente   esse   vosso   deus   que   no   mundo   haja   tanta

                      maldade, tanto ódio?      Deus  existe?     Se  existe porque permite que

                      os   homens   não   se  conheçam  como  irmãos  mas sim  como  feras

                      enraivadas?     Porque  consente  tanta  miséria, tanto  luto, tanta  dor?

 

D. Eduarda - A dor é  necessária!       Sem   dor…      As  nossas  existências  seriam

                     doces   demais…        Para   que   merecêssemos   o   prémio   da   Sua

                     Bondade!...      Sem  sofrimento, sem  dores físicas e morais, sem  lutos

                     e  sem  lágrimas…   A  vida  não  teria  finalidade…    Seria  monótona…

                     Sempre igual…  Tem que haver bom e mau…   Alegria e tristeza…  Pão

                     e fome…  Só assim os espíritos dos eleitos podem triunfar…   Que a ira

                     do Senhor não caia no inocentinho que sofre!...

                                                  

Carlos        -  A  vossa  fé  em  Deus  é  igual  à minha fé no destino…    No  que  tem

                      que ser…   Descansai…    Se  o vosso Deus é o Justo e o Omnipotente

                      a  sua  ira  não  se   manifestará   no   meu   filho   que   luta   contra   a

                      morte!...     Não  tenham  medo…   Deus  não  existe e a vossa fé não é

                      mais do que medo…   Medo  do  desconhecido…    Tanta   fé   e   tanto

                      receio  ao  mesmo  tempo…     Porque  receais  que  o vosso Deus nos

                      castigue?     Porque  receais   se  é  nele  que está a vossa esperança?

                      Não é ele justo?   E vós não o amais?   E se é justo quererá fazer sofrer

                      quem tanto o ama?

 

Clara            - Diga-lhe que se cale, mãe… Eu enlouqueço…

 

Carlos         - Felizmente  que  eu  pus  a  razão  acima do meu coração!  Eis  porque

                      estou calmo…    Eis   porque   confio   mais  na  ciência daquele que ali

                      dentro  está   lutando  contra   a   morte   que  ronda  o  corpo  frágil  do

                       meu filho…   Não!  Deus não existe…   Se  existisse  não  quereria  ver

                       um inocente pagar por crimes que não cometeu!  Que mal  fez  o  meu 

                       filho?   Que  mandamento infringiu ele?   Matou?   Roubou?  Desejou a

                       mulher do próximo?

 

Clara            - (Revoltada) Pela vida do nosso filho peço-te que te cales…

 

Carlos         - Pois é pela vida do nosso filho que eu tenho de falar de  toda  a   revolta

                       que  sinto  dentro  do  peito…   Uma  revolta  que  me  abrasa…   E  me

                       atormenta… E me faz sofrer…

 

Clara           - Deus, Deus, não  o  ouças…    Peço-te, Senhor,  que  não   o   ouças…

                       Ele  perdeu  a   razão…  As  suas  blasfémias   não   são   contra   Ti…

                       São  filhas  do  seu desespero…

 

Carlos          - Não!   Eu estou absolutamente senhor da minha razão!

 

Clara            -  Meu Deus!

 

Carlos          - Meu medo, queres dizer…

 

Clara            - Por piedade… Não quero ouvir-te mais…

 

Carlos          - Não  queres  ouvir  o  que  é   lógico  e  sensato…    Esse  Deus  a  que

                        vocês  se  Entregaram    mas    a     que     eu    nego    existência,  não

                        é    o    justo,  o  Omnipotente…   Se  ele  existe   pergunta-lhe   porque

                        nos  mortifica  tanto…  Só  encontrarás, como  resposta, o  eco  da  tua

                        ilusão!

 

D. Eduarda - Que a tua blasfémia não caia sobre nós…

 

Clara           - (Junto à imagem de Jesus)      Pai   Nosso,  que   estais   nos  Céus…

                       Ó Deus Misericordioso…      Que  a  Tua  Infinita   Bondade  desça  até

                       esta   casa…     E  perdoa…     Perdoa   tudo  quanto   aqui   se  disse…

                       Perdoa-lhe  com  a  Tua  Infinita  Piedade  porque  ele  enlouqueceu!...

 

Carlos         - Não  enlouqueci,  não!     Vejo   claro   ao   olhar   o   que   me  rodeia…

                       Fome…   Peste…   Luto…   Guerras…  Mulheres sem marido…   Filhos

                       sem pais…    Pais  sem  filhos…   (Aqui, por  ser  o  seu  caso  e  para

                       que    o    seu    egoísmo   se   revele, dá   outra   inflexão   à    voz.)

                        Porquê?            Maldito…              Maldito    seja    o    vosso      Deus!  

                       (Isto  dizendo   corre   para   a   imagem de Jesus e tenta destruí-la,

                        no  que  é   impedido  por  Clara  e  por  D. Eduarda  que  coloca  a

                        imagem  no  lugar  onde  estava.   Carlos  desloca-se  para  o  lado

                        oposto, para   perto  do  seu  sofá. Clara toma também lugar  perto

                        de si.    Clara   toma   também   lugar  perto   de   si.     Carlos  está

                        visivelmente  perturbado  e  dá  mostras de que se arrependeu em

                        parte do acto que ia cometer.)

 

Médico       - (Entrando   a   libertar-se   da   máscara   que   traz   no   rosto)     

                       Está  salvo  o menino…   Foi  Deus…    Foi  Deus  que  esteve  à minha

                       beira…   (Ditas   estas  palavras Carlos deixa-se cair no sofá.  Clara

                       corre para a porta do quarto onde está o filho, dizendo:)

 

Clara           -  Salvo,  o  meu  filho…   (Pausa)    Anda, Carlos…    Anda  ver  o  nosso

                       menino…

 

                                         (Carlos não se mexe…     Vê-se que pretende falar

                                          mas  da  sua  boca  saem  apenas  débeis esgares.  

                                          O  médico  adivinha  o acontecido e aproxima-se

                                          começando  imediatamente  a examiná-la.   

                                          Clara,  como  louca,  corre para junto do marido

                                          e diz:)

 

 

Clara           - Carlos…    O  nosso filho está salvo…   

 

                                         (Carlos tenta erguer-se.   Não pode.  Clara corre

                                          para a imagem de Jesus)

 

 

 

Clara            - Meu  Deus, Meu  Deus!    Para que o castigaste?     Se me deste o meu

                       filho    porque    me   tiras   agora   o   meu   marido?       Ele  delirava… 

                       Ele mentia…   Porque me castigas assim, Deus do Céu?...

 

                                         (Clara corre para junto do marido)

 

 

Clara            - Carlos, meu   querido  Carlos…     Porque  duvidaste  do   Seu   poder?

                        Porque   duvidaste, Carlos…      (Com   ternura   e  lágrimas  na voz)

                        Anda, Carlos…   Anda ver o nosso menino…  (Ampara-o. O médico e

                        D. Eduarda    ajudam.      Carlos, ainda   e   sempre   aos   esgares,

                        deixa-se  arrastar, com  os olhos postos na imagem de Jesus.)

 

                                         (Repentinamente Carlos estremece.  Recuperou

                                           os movimentos perdidos.   Largam-no  a  medo.

                                           O   médico  afasta-se  para  o  lado.     Onde   se

                                           encontram, Clara  e D. Eduarda  ajoelham assim

                                           como  a  Criada, que  entrou  entretanto. Carlos

                                           ensaia um  passo.  Neste  momento  ouve-se  a

                                           “Ave-Maria”, de   Schubert.  Carlos  continua  a

                                           a   caminhar   lentamente, a  medo.    Uma   vez

                                           chegado  junto  da  imagem  de  Jesus  põe  as

                                           mãos   em  oração.    A  melodia  vai  morrendo.

                                           Emocionado, Carlos diz:)

 

 

 

Carlos          - Perdoa-me… (Deixa-se cair de joelhos e finaliza:)   … Senhor!

 

 

 

 

PANO, MUITO LENTO

 

FIM

 

                                                                                 Lisboa, 12 de Março de 1960

 

 

A peça de teatro “Blasfémia” foi levada à cena pelo Grupo de Teatro Almeida Garrett por mais de uma centena de vezes, em diversas localidades do nosso País.

 

                                                Com o seguinte elenco:

                                                - Clara - Carlota Calazans

                                                - D. Eduarda - Rosa Bastos

                                                - Carlos - Agostinho Alves

                                                - Médico - Celso Sacavém

                                                - Criada - Amélia Maria

 

 

 

            Celso Sacavém       celsosacavem.blogs.sapo.pt        @celso.pereira.525

            www.facebook.com/celso.pereira.3  www.instagram.com/celsopereira525

                                            Pt.pinterest.com/papi_celso/

 

 

 

 

 

                       0 400px-P_culture.svg.png

                                                                 Teatro     (2)

 

 

 

 

 

1 -  Paris Comedie-Francaise (2005)

https://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Stages_in_art#/media/File:Paris_Comedie-Francaise.jpg

Paris Comedie-Francaise - 2005

 

 

 

 

2 - Teatro

https://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Theatre_in_art#/media/File:P_culture.svg

Autoria de cultura P - 2012

 

 

 

 

http://www.abiblia.org/ver.php?id=3369 

In Mateus (Mt 6, 9-14):

 

Pai Nosso que estais nos céus,
santificado seja o vosso Nome,
venha a nós o vosso Reino,
seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje,
perdoai-nos as nossas ofensas
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido,
e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do Mal.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Favoritos

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D