Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Celso Sacavém

Os meus pensamentos

Os meus pensamentos

Fados

 

 

0 Maria_Severa_-_Fado-Sängerin.jpg          0 Francisco_Augusto_Metrass_-_Revista_contemporane

             A Severa (1820-1846)    (1)        Francisco Augusto Metrass (1825-1861)  (2)

 

 

 

 

 

                                              Quantas saudades eu tenho

                                              dos belos tempos de antanho

                                              em que a cantar se vibrava!

                                              Em que o fadista de raça,

                                              com sentimento e com graça,

                                              a sua vida cantava!

 

 

                                              Que saudades dessa era

                                              em que o canto da Severa

                                              empolgava as multidões!

                                              Em que a guitarra, tremente,

                                              soluçava, em tom dolente,

                                              dentro em nossos corações! 

 

 

                                              Que saudades, que saudades

                                              sinto ao ouvir as Trindades

                                              chamarem à oração!

                                              A minh´alma foge logo

                                              nas róseas asas do fogo 

                                              que me aquece o coração!

 

 

                                              Ai! Que saudades que tenho  

                                              daqueles tempos de antanho

                                              em que vivia a Severa!

                                              São saudades de bairrista,

                                              de sentimental fadista,

                                              de não viver nessa era!

 

 

 

          Celso Sacavém        celsosacavem.blogs.sapo.pt        @celso.pereira.525

         www.facebook.com/celso.pereira.3   www.instagram.com/celsopereira525

                                           Pt.pinterest.com/papi_celso/

 

 

 

 

 

                      0 PetrusPictaviensis_CottonFaustinaBVII-folio42v_S

                        Versão mais antiga do "Escudo da Trindade" (1210)    (3)

 

 

 

 

 

 

1 - A Severa (1820-1846)

https://en.wikipedia.org/wiki/Maria_Severa-Onofriana#/media/File:Maria_Severa_-_Fado-S%C3%A4ngerin.jpg

Obra do pintor português Francisco Metrass (1825-1861). Digitalização em 2011 a partir do site:

http://www.fotolog.com/luzesdaribalta/73573249

 

 

 

 

2 - Francisco Augusto Metrass (1825-1861)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Augusto_Metrass#/media/File:Francisco_Augusto_Metrass_-_Revista_contemporanea_de_Portugal_e_Brazil_(Fev._1861).png

Francisco Augusto Metrass (1825-1861), pintor português da época romântica.

Autor Desconhecido - Hemeroteca Digital - "Revista contemporânea de Portugal e Brazil" (N.º 11, Fev. 1861)

 

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Augusto_Metrass

Francisco Augusto Metrass

 

 

Movimento(s): Romantismo em Portugal

 

 

Francisco Augusto Metrass (Lisboa, 1825 - Madeira, 1861) foi um pintor português da época romântica.

 

Biografia

Filho de uma família abastada de origem alemã, que se dedicava ao comércio de importação. Os seus primeiros estudos foram feitos na Academia das Belas Artes de Lisboa como aluno voluntário, para onde entrou em 1836, tendo como mestres Joaquim Rafael e António Manuel da Fonseca e como colegas Anunciação, Cristino e Manuel Maria Bordalo Pinheiro.

Estudou também em Roma a partir de 1844, com os pintores de origem alemã do Grupo dos Nazarenos Overbeck e Cornelius e tendo tido como companheiro de estudos outro artista português, Francisco Pereira Meneses.

De volta a Portugal, deixou a pintura de retrato e começou a dedicar-se à pintura histórica. Como a sua obra não era muito apreciada, tendo mesmo vendido toda a sua obra a um corretor de leilões, foi para França, tendo regressado novamente em 1853 com a sua técnica mais aperfeiçoada (estudou Rubens, Rembrandt e Van Dyck), sendo então a sua obra já admirada pelo grande público e pelo rei D. Fernando que lhe comprou o quadro Camões e o Jau

Foi professor de pintura histórica em 1854, na Academia de Belas-Artes e colaborou na Revista Contemporânea de Portugal e Brasil (1859-1865).

 

Metrass morreu com trinta e seis anos de idade, vítima de tuberculose.

 

 

Exposições

Palácio dos condes de Lumiares

Exposição filantrópica da Sala do Risco

Exposição trienal de 1856

Exposição Universal de Paris (1855)

 

 

 

 

 

 

3 -  Versão mais antiga do "Escudo da Trindade" (1210)

https://en.wikipedia.org/wiki/Shield_of_the_Trinity#/media/File:PetrusPictaviensis_CottonFaustinaBVII-folio42v_ScutumFidei_early13thc.jpg

Versão mais antiga do diagrama Scutum Fidei do simbolismo medieval cristão ocidental, atestada, de um manuscrito de Peter de Poitiers escritos ', c. 1210.

Desconhecido (escrivão do século 13) - Biblioteca Britânica

Detalhe de algodão Faustina manuscrito B. VII, 42V fólio, mostrando um "Scutum Fidei" ou protetor da Trindade diagrama triangular, com uma representação de Cristo na cruz. Isso faz parte de um ca. 1210 ilustração à Compêndio Historiae em Genealogia Christi por Peter de Poitiers (ou Petrus Pictaviensis).

O texto em latim sobre o escudo na imagem inclui as palavras ou abreviaturas dos escribas para "Pater" (o Pai), "SPIRITUS SANCTUS" (o Espírito Santo), e "FILIUS" (o Filho) nos três nós exteriores, e " DEUS "(Deus) no nó de centro.

 

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_de_Poitiers

Pedro de Poitiers

 

Pedro de Poitiers (em latim: Petrus Pictaviensis; em francês: Pierre de Poitiers) foi um teólogo escolástico francês nascido em ou próximo de Poitiers por volta de 1130. Pedro morreu provavelmente em 1215.

 

Pedro estudou na Universidade de Paris, onde tornar-se-ia professor de teologia e lecionaria por trinta e oito anos. Em 1169, sucedeu Pedro Comestor na cadeira de teologia escolástica. Suas aulas foram inspiradas pela animosidade de Garnério de São Vítor (Gauthier), um dos mais amargos opositores do escolasticismo, que o listou junto com Gilberto de la Porrée, Abelardo e Pedro Lombardo num panfleto no qual tentou ridicularizar os quatro doutores chamando-os de "Os Quatro Labirintos da França". 

Como chanceler da Igreja de Paris, demonstrou grande zelo em prol dos estudantes mais pobres, e numa tentativa de suprir a necessidade de livros-texto, que eram muito caros, mandou gravar um "resumo" nas paredes das salas de aula para ajudá-los. Em 1191, foi nomeado pelo Papa Celestino III para resolver a disputa entre as abadias de Santo Elói e São Vítor. Além de Celestino, Pedro se correspondia também com o Papa Inocêncio III.

 .

 

 

 

 

 

https://pt.wiktionary.org/wiki/trindade

Trindade - Substantivo feminino

 

Associação de três pessoas ou coisas para algum fim.

 

Etimologia

Do latim trinitate.

 

 

 

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Trindade

Trindade

 

Trindade pode referir-se a:

 

Religião

Em religião, a trindade é a doutrina que considera Deus como sendo constituído por três hipóstases.

 

Trindade (cristianismo) — perspectiva cristã.

Trimúrti — perspectiva hindu

Aúra-Masda — perspectiva zoroastra

Mãe Tríplice — perspectiva wicca

Hades#Hades, Zeus e Posseidon: hipótese da trindade (Trindade olímpica) — hipótese que une os três principais deuses da mitologia grega (Zeus, Hades e Posseidon)

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D