Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Celso Sacavém

Os meus pensamentos

Os meus pensamentos

Da História de Portugal

 

 

              GilEannes-Lagos.jpg

                       Gil Eanes do grande mestre João Cutileiro (Lisboa,1937)      (1)

 

 

 

 

                                         A PASSAGEM DO BOJADOR

 

 

                                   “Avante, meus amigos, remem, remem,

                                    em breve passaremos o maldito”.

                                    No barco ninguém fala, todos temem

                                    as iras do Senhor, do Infinito.

                                    “Vá, meus amigos, vá! Eia! Coragem!

                                    Um sacrifício, lusos, nossa viagem

                                    é prestes a findar. E o Senhor

                                    contente ficará ao ver que erguemos

                                    a Sua Santa Cruz, a Cruz da Dor,

                                    da Fé e da Bondade. Com força andemos”.

                                    E os bravos mareantes, com temor,

                                    olhando o céu nublado, o mar revolto,

                                    remavam sem cessar, a toda a força.

                                    E o barco belo de Eanes, por véus envolto,

                                    seguia a sua rota, qual ágil corsa.

 

                                    Os olhos do gagueiro, na vigia,

                                    em breve viram terra.  Que delírio

                                    perpassa pelas gentes! A alegria

                                    torna-se agora irmã do seu martírio.

 

                                   “Mais força, irmãos, mais força, brada o Mestre,

                                   mais um impulso firme e já seremos

                                    passados pelo cabo; a brisa agreste

                                    incita-nos, bravos meus, a que o passemos.

                                   Tudo é silêncio agora. Aquele encanto

                                   ía quebrar-se enfim. Faltava pouco.

                                   Eanes no convés, na mão o manto,

                                   olhava a equipagem, semilouco.

                                   “Remai ainda mais, bravos heróis…

                                   Que pode haver que a nós nos cause horror?

                                   A nós, Lusos Eternos!... Novos sóis

                                    iremos levantar no Bojador.

                                   A Ti, Senhor, dedico esta vitória!

                                   A Ti, Senhor meu Deus, clemência peço!

                                   Dá-nos por isso, Deus, misericórdia!

                                   Por Portugal Cristão Te agradeço!...

 

                                   Não é com sentimentos de grandeza

                                   que ousamos devassar o mar, Senhor!

                                   É só para erguer mais alto essa beleza

                                   espargida de Ti, do Teu amor.

 

 

 

  Celso Sacavém             celsosacavem.blogs.sapo.pt          @celso.pereira.525

  www.facebook.com/celso.pereira.3          www.instagram.com/celsopereira525

                                              Pt.pinterest.com/papi_celso/

 

 

  Estrada N1 à saída do Bojador (Saara Ocidental).    Localizado na costa ocidental africana, no Saara O

     Estrada N1 à saída do Bojador     (2)       Localizado na costa ocidental africana,                                                                                          no Saara Ocidental.      (3)

 

 

 

 

 

Gil Eanes (1395 em Lagos), o primeiro navegador a atravessar o Cabo Bojador, em 1434.

 

 

 

(1)  Gil Eanes do grande mestre João Cutileiro (Lisboa em1937)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Gil_Eanes

 

Estátua de Gil Eanes do grande mestre João Cutileiro (Lisboa em1937), na cidade de Lagos.

 

 

 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gil_Eanes

 

"Gil Eanes foi um navegador português, natural de Lagos (Algarve), escudeiro do Infante D. Henrique, e cuja biografia permanece ainda pouco conhecida e muito discutida. Foi o primeiro a navegar para além do Cabo Bojador, em 1434, dissipando o terror supersticioso que este promontório inspirava e iniciando assim a época dos "grandes descobrimentos".

 

Infante D. Henrique conseguiu iar Gil Eanes a tentar a proeza da passagem. Ao dobrar o cabo, reforçou o papel de Portugal como nação marítima."

 

"Foi o seu exemplo de grande navegador histórico, que inspirou em 1994, um aluno de 10 anos da Escola de Barrancos, José Luis Coelho, a dar o nome de GIL à mascote oficial da EXPO'98, cujo tema foi "Os Oceanos um Património para o Futuro" e onde estiveram representados cerca de 150 Países." 

 

 

 

VEJA UM VÍDEO NA SEGUINTE LIGAÇÃO :

 

http://ensina.rtp.pt/artigo/gil-eanes-dobra-o-cabo-bojador/

 

 

 

 

 

 

Gil Eanes dobra o cabo Bojador

 

Nas viagens para descobrir a costa ocidental africana, os marinheiros enfrentaram lendas fabulosas e um mar tenebroso. Acreditavam que o Bojador era o fim do mundo. Mas o infante D. Henrique estava convencido do contrário e Gil Eanes dobrou o medo em 1434.

 

O infante D. Henrique estava convencido que o mundo não acabava ali e incitou Gil Eanes a fazer-se de novo ao mar . “Daquela viagem – escreve o cronista Gomes Eanes de Zurara – menosprezando todo o perigo, dobrou o cabo a além, onde achou as cousas muito pelo contrário do que ele e os outros até ali presumiam”.

 

 

 

 

 

 O Cabo Bojador

 

 

(2 ) - Estrada N1 à saída do Bojador

https://pt.wikipedia.org/wiki/Bojador

 

(3) - Localizado na costa ocidental africana, no Saara Ocidental.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Bojador

 

 

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Bojador

 

História

 

O primeiro navegante europeu a dobrar ao Cabo Bojador foi o português Gil Eanes, em 1434, durante a sua 15ª expedição, sob os auspícios do Infante D. Henrique. O desaparecimento de muitos navios europeus que navegaram na zona tinha dado origem a mitos como o da existência de monstros marinhos e da impossibilidade de passar o cabo em direção a sul.

 

 

 

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Favoritos

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D