Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Celso Sacavém

Os meus pensamentos

Os meus pensamentos

Teatro

 

             0 Clown_chili_peppers - httpscommons.wikimedia.org

                                                                                                O palhaço  (1)

 

 

 

                                                          O Palhaço

 

 

 

Em cena entra um Palhaço, devidamente  equipado  e  pintado, com  duas  malas grandes, uma em cada mão. Vem alquebrado. Senta-se onde puder, visivelmente cansado e abatido.

 

Compère - Então, Palhaço, estás triste? Que foi que te aconteceu?

 

Palhaço   - É verdade, estou triste… Estou muito triste…

 

Compère - Mas tu és um Palhaço!...

 

Palhaço   - E isso que tem?

 

Compère - És um Palhaço, portanto não podes estar triste…

 

Palhaço   - Não?

 

Compère - Não! Tu tens é que estar alegre…

                   Tens que rir… Tens que gritar e pular… Se não não és um Palhaço!

 

Palhaço   - Essa  agora…  Então  eu  não  tenho, como  tu, um   coração  no   peito?  

                   Não tenho sangue e nervos, como toda a gente?

 

Compère - Mas tu és um Palhaço e um Palhaço…

 

Palhaço   - …Não pode sofrer?...  Não pode sentir-se magoado com o que vê à sua    

                   volta?

 

Compère - Claro que não! O teu mundo é outro!

 

Palhaço   - Outro?

 

Compère - Claro!  O teu mundo é, como é que eu  hei-de dizer, o teu mundo  não  é   

                   deste mundo… O  teu  mundo  é  o  mundo  do  riso, da  alegria, da  boa   

                   disposição!...

 

Palhaço   - E do sofrimento também!... Dá-me esse direito… Embora julgues que não,

                   o Palhaço também chora, também sofre!...

 

Compère - Desculpa, Palhaço, mas de facto eu nunca tinha pensado nisso!... Quando

                   vejo um Palhaço vejo a alegria, o riso, o canto …

 

Palhaço   - E  no  entanto, o  Palhaço  que  tu  vês  também  tem  filhos, também  tem

                   família, tem doenças em casa, tem problemas …

 

Compère - Sim, é verdade, mas …

 

Palhaço    - O    Palhaço    faz    rir    os   outros    quantas    vezes    com    a    alma

                    amargurada…   O  Palhaço,  ao  contrário  do  que  possas  pensar, tem

                    muitas   horas   de   tristeza!   Julgas  por  acaso  que   o   Palhaço   fica

                    indiferente se lhe dão notícia da  morte  dum  jovem? Julgas, por  acaso,

                    que  o  sofrimento  alheio  não  o   faz   sofrer   também?   Olha  para   a

                    Bósnia…   Sérvios   e   Croatas   matam-se  com   raiva, com  ódio, com

                    ferocidade, embora sejam povos irmãos…

 

Compère - Isso é verdade, infelizmente!

 

Palhaço   - Recua um pouco no tempo,  aos  anos de 1939/1945…  A  Humanidade

                   sofreu   um   dos   maiores    holocaustos   de   que   há   memória!   Um   

                   holocausto  monstruoso  que vitimou milhões de seres humanos!... Olha  

                   para   o   Médio  Oriente   e   que   vês?   Uma  luta   interminável   entre  

                   árabes   e   judeus,  onde  impera   a  traição,  o  ódio,  o  desejo  de  ver

                   sangue! Uma luta fratricida…

 

Compère - Fratricida?

 

Palhaço   - Fratricida, sim!  Judeus  e árabes podiam e deviam dar-se como irmãos e

                   no  entanto  lutam encarniçadamente por uma supremacia  que  ninguém  

                   detêm  e que não tem, aliás, nenhuma razão de ser!!!

 

Compère - Tens toda a razão! Mas tu queres mudar o mundo?

 

Palhaço   - Não, não! Eu não quero mudar o mundo… Só gostava que o mundo não

                   me fizesse sofrer… Até a  Natureza  me  dá  motivos  para  esta  tristeza  

                   que  não me  larga… Vê,  vê   Lisboa   no   ano  de  1755.  No  dia  1  de  

                   novembro  um  terramoto  devastou a cidade tendo morrido milhares  de  

                   pessoas… Quem  é  que  pode  ficar   indiferente   a   estes   horrores?...  

                   Mais:  olha   para   o   México.   Quando  este  país  se  preparava   para

                   receber   no   seu   seio    uma    manifestação  desportiva   eis   que    a    

                   Natureza   se   lembrou   de    lhe   destruir   a   capital,  soterrando   nos

                   escombros  das  casas  que ruíram centenas  e  centenas   de  vítimas…

                   Foi um horror que muito me marcou…

 

Compère - Não me digas que a Natureza capricha em te magoar a ti especialmente…

 

Palhaço   - E   não   é   só    a  Natureza!...   Os   homens   também   me   magoam…

                   Olha   a  Inquisição.   Em   nome   não   sei   de   quê,   matou,  humilhou   

                   milhões  de  seres…     Quantos    inocentes    a     Inquisição     castigou  

                   impunemente, cruelmente?...  A Inquisição é  uma afronta  à  inteligência,

                   uma  ignomínia  que perdurará eternamente  através  das  nossas  vidas,

                   na  nossa  lembrança, na  nossa  vergonha!!!...  Tu   não   tens  vergonha  

                   dos   actos   dessa  gente   hedionda   que   matava  por matar, em nome  

                   de   inconfessáveis  desígnios  e  interesses?   Eu  tenho…  Por  isso  eu

                   sofro…

 

Compère - Não sofras, meu amigo!... Deus…

 

Palhaço   - Deus?  Disseste  Deus?   Aí  está  também  o que me atormenta… Onde

                   estava   Deus  quando   a   Inquisição  mandou  queimar   vivo   o   poeta  

                   António  José  da  Silva, o  Judeu, como   é   conhecido, só    pelo    facto  

                   deste  não  ter renegado o ter nascido  judeu… Isto  é   muito  triste, meu

                   amigo!...

 

Compère - Não culpes Deus por esse facto!

 

Palhaço   - Claro  que  não  culpo  pois  sei  muito   bem  que  o  Senhor, abominando

                   o pecado, ama  os   pecadores,  a  todos  dando  a  oportunidade  de   se  

                   redimirem! Lembra-te que o Palhaço não nasceu hoje. Sempre  existiram

                   Palhaços como  eu  desde  os   tempos   mais  remotos…  Pelos  tempos

                   fora  vi   muitas  coisas… É  por  isso  que  eu  estou  cansado…  Não  te

                   esqueças   que   Palhaços   como   eu   viram    Joana d´Arc   morrer   na  

                   fogueira!  Palhaços  como  eu  viram  a  afronta  feita  a  Galileu  Galilei…

                   Analfabetos  e  néscios  obrigaram  o  Mestre  a retratar-se  só  porque  o

                   seu  pensamento  era  contrário  à  ideia  existente  de  que  era   a  Terra  

                   o  centro  do  Universo!... Isto  não  te  causa tristeza?

     

Compère - Sim, mas…

 

Palhaço   - O    eterno     mas   dos   acomodados…    Não!     Definitivamente   não!

                    Acomodado, não!   Acabou-se   o   riso…   Acabaram-se   os  esgares…  

                    Acabaram-se  as  palhaçadas!

 

 

(Dita  esta  fala  um  disco  faz  ouvir  o  saudável  riso  das crianças que saem da escola, correndo e gritando.  O  Palhaço como que põe o ouvido à escuta para perceber donde vêem aqueles risos. Levanta-se, começa a gesticular e diz, com voz de palhaço:)

 

 

Palhaço   - Esperem   mininos.  Esperem   mininas …  Está  aqui o vosso  Palhaço…  

                   Eu vou…  Eu vou rir e cantar para vocês…  Deixem passar o  Palhaço!...

 

 

(sai aos saltos, gesticulando muito).

 

 

                                              

                                                                 FIM

 

 

 

 

            Celso Sacavém        celsosacavem.blogs.sapo.pt          @celso.pereira.525

            www.facebook.com/celso.pereira.3     www.instagram.com/celsopereira525

                                             Pt.pinterest.com/papi_celso/

 

 

 

 

(1) -  O palhaço

https://commons.wikimedia.org/w/index.php?title=Clown&uselang=pt#/media/File:Clown_chili_peppers.jpg

O palhaço Chili Peppers  - Rick Dikeman 

 

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Palha%C3%A7o

A palavra Palhaço deriva do italiano paglia, que quer dizer palha, que era o material usado no revestimento de colchões.

O nome começou a ser usado porque a primitiva roupa desse cómico era feita do mesmo pano e revestimento dos colchões: um tecido grosso e listrado, e afofada nas partes mais salientes do corpo com palha, fazendo de quem a vestia um verdadeiro "colchão" ambulante. Esse revestimento de palha os protegia das constantes quedas e estripulias.

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D